quarta-feira, 26 de outubro de 2011

ENEM 2011-12, novas falhas e venda de prova?


Olá, concidadãos dessa grande vizinhança chamada internet.
No último final de semana foram realizad
as em muitas cidades do Brasil as provas do Exame Nacional do Ensino Médio. E, pasmem, eu participei dos exames! Pois é, essa minha vida de jovem-adolescente está me matando. Não fiz cursinho nem estudei. Fui para a prova confiando apenas na lógica e na minha capacidade interpretativa. Aliás, prova esta cujo tema da redação foram... Vocês! Êêêê! Coisas que eu discuto bastante no blog, como a separação da vida particular da vida pública nas redes sociais, foram tema-base. Espero que esse blog tenha servido pra alguma coisa! :) (Para mim, claro).

Sem querer ser arrogante, a prova estava ridiculamente fácil. A parte de biológicas foi complicada, mas lembrem-se que eu estou sem estudar há muito tempo, e pra qualquer um que tenha química fresca na cabeça, estava tranquilo. Meu escore foi razoavelmente decente: 41/45 em "Estudos Sociais", 26/45 nas "ciências da natureza", 44/45 em "linguagens e códigos" (porque algumas questões estavam realmente em código, veja mais pra frente) e 39/45 em "matemática". Ainda tem a redação, que vai ser (supostamente) corrigida - leia mais abaixo - e tudo isso consiste num sistema de nota estranho que o INEP "inventou". Totalmente desnecessário, esse sistema trás confusão e injustiça para a prova, visto que você não pode atestar que apenas por estar errando um conteúdo mais fácil, o candidato chutou o mais difícil. (Vou perder nota porque marquei errado duas questões facílimas no gabarito de matemática. Isso diminui minha capacidade?) Mais sobre o sistema e o gabarito, vocês podem ler aqui (g1).

Pois bem, além desse probleminha da correção da prova, há outros. Nas questões de "Linguagens" e "Estudos Sociais", existiam cerca de 4~5 questões ambíguas ou incompletas, cujas respostas não satisfariam 100% a pergunta ou satisfariam demais. Os corretores colocaram essas respostas mais-ou-menos e ficou por isso mesmo. Havia uma questão de matemática que perguntava quanto de água+açúcar era necessário para encher completamente um determinado copo. Só que o açúcar dissolve na água, tornando a conta quase impossível - quanto ele dissolve? - de modo que o copo não estaria completamente cheio com as porções necessárias de açúcar + água. E aí? Bom, o exame ficou com a resposta literal.

Quanto à redação, um professor - cujo nome não me lembro - junto com um amigo, que disse já ter sido corretor das redações, criaram uma pequena grande polêmica no facebook. O ex-corretor, disposto a "acabar com a falácia", disseram que as redações não são corrigidas e sua nota é aleatória. Isso mesmo, senhores. A nota é dada por uma razão qualidade da sua letra x palavras-chave presentes no texto. E os corretores, supostamente, ganhariam por volume de trabalho - R$ 1,20 por correção - por isso não perderiam tempo lendo de fato cada texto, simplesmente veriam se não fugiu ao tema pela abertura dos parágrafos e avaliariam a letra do candidato. Se isso é realmente verdade, eu não sei, mas dá um frio no estômago quando penso no caso. Se quiserem saber, ah, vão atrás, estou com preguiça de achar o caso pra postar na íntegra.

Outra questão que foi muito reclamada na internet e até mesmo chegou a aparecer em fontes importantes de informação foi a suposta falta de tempo pra fazer a prova. Alguns alunos reclamaram que não foi possível terminar a prova - especialmente a do segundo dia, Línguas + Matemática + Redação - no tempo pré-determinado. Não tive problemas com isso, mas conte se você teve.

E agora, senhores, com vocês, a palhaçada da noite! Em Fortaleza existe um colégio chamado "Colégio Christus". Parece ser um colégio bem caro do lugar, e seus alunos parecem ter uma devoção ferrenha pelo lugar (pelo nome do colégio, até sei que tipo de devoção é essa). Esse colégio teria feito simulados, alguns dias antes da prova do ENEM, contendo questões da prova! Tudo muito conspiracionista, a princípio, mas dê uma olhada nas imagens: parece verdadeiro, não?

O próprio colégio alegou, também no facebook, que foi a competência e a experiência que deram-lhes a capacidade para fazer 14 - CATORZE!!!! - questões exatamente iguais às da prova. Alguns alunos argumentaram que, na verdade, existe um banco de dados com cinco mil questões do MEC que possivelmente cairão no ENEM, e os professores teriam tirado suas questões de lá. Mas há aí uma falha na razão lógica do mesmo jeito, não é? Acertar 1~5 de 180 dentro de 5000 possíveis parece ok, mas 14? Ou é muita sorte, ou experiência, hm, divina? Além disso, há outro problema. Ninguém postou link do site! Ah, claro, não mencionaram que era convenientemente apenas para professores de cursinhos e colégios preparatórios. Então porque eu não vi mais disso além do Christus? Discrição demais?

Parece-me que eles claramente são culpados. Eu não fui prejudicado por 14 questões, acho pouco provável que a Christus Threat chegue à Curitiba - minha cidade, óbvio - mas a Lei não é para a maioria (porque a maioria de fato acertou as questões que o colégio "procurou na internet") e sim para todos. Uma apuração dos fatos, e em seguida, punição, são completamente indispensáveis. Quanto à o que eles merecem deixo a seu encargo, meu caro leitor. Poste aí nos comentários.


EDIT: Rumores de que os 629 alunos do COLÉGIO CHRISTUS, de Fortaleza-CE, terão de refazer a prova. Não vi em nenhum site realmente confiável por enquanto, mas aí vai um link interessante

Sinto que esqueci alguma coisa no texto, mas edito-o assim que for lembrando.

Boa noite, caríssimos.


2 comentários:

Anônimo disse...

afffffffff
já venderao a prova de novo

Evandro disse...

A "melhor" saída seria reaplicar o exame para todos (ou dar essa opção). Esses alunos serão beneficiados com a reaplicação das provas somente para eles. E anular as questões é pior ainda.