quarta-feira, 13 de março de 2013

Argumentação: Sutilezas e pontos importantes

Boa noite!

Se vocês estão lendo este blog, acho que já têm por padrão que sou uma pessoa que ama argumentar. Como um sofista, gosto de provar o contrário e me contradizer apenas pelo prazer. Não consigo fazer isso tão bem quanto gostaria; É fato que já fui melhor em pesquisas e mais dedicado em discussões. Mas hoje, mais velho e mais sem-graça, fico na velha retórica da argumentação padrão e simplificada.

Hoje, porém, gostaria de passar um pouco do conhecimento que adquiri sobre Como Argumentar Com Eficácia. Não é nenhum tutorial, apenas um passo-a-passo bastante básico e intuitivo. Não tenho experiência tampouco conhecimento para falar tudo e deixá-los incrivelmente hábeis.

1) Tenha certeza do que você está falando. 
Nem sempre é necessário ter razão para vencer um argumento - o importante é ter plena consciência do que você está falando. E isso só é possível se você estiver convicto, resoluto e certo: Você tem razão, e você sabe disso. Não importa que não tenha, faça ter, CRIE A RAZÃO. Você PRECISA ter certeza - ou a discussão já começa perdida.

2) Respeite seu interlocutor, mas não tenha "dó".
Um dos maiores erros das pessoas comuns que argumentam em assuntos, sejam eles importantes ou apenas futebol, é que elas tentam não "agredir" verbalmente o interlocutor, e para tal, utilizam de argumentos menos inflamados. Ora, não é necessário xingar e nem gritar, mas você DEVE pressionar sempre que possível. Falar com clareza e altivez e/ou usar um português rebuscado ajudam muito nessa hora - você pode ser muito elegante enquanto acaba com a teoria argumentativa de outrém.

3) Ser prolixo não é a melhor escolha.
Prolixidade é "falar demais". Enrolar. Usar muitas delongas, tomar do caminho mais comprido. Evidentemente, tais ações, se usadas com parcimônia, acabam confundindo seu interlocutor, mas não é esse o seu desejo. Você precisa convencê-lo de que ele está errado, ou ao menos de que você está "mais certo" do que ele. Deixá-lo confuso vai deixá-lo também irritado, e isso não é saudável. Então, se possível, evite exageros na hora de "chegar ao ponto". Seja direto - mas sempre elegante.

4) Reitere os pontos que ache importantes - mas não toda hora.
Sua discussão NÃO PODE se limitar a um só argumento. Sim, é útil reforçar um ponto várias vezes - releia meu primeiro tópico e perceba quantas vezes mencionei a importância da autoconfiança - mas, se esse argumento que você está reforçando for batido, largue-o completamente. Seja dinâmico.

5) Desmistifique a ideia de "dois lados".
Numa discussão, não existe um atacante e um defensor. Ambos fazem esses papeis diversas vezes em uma conversa, a menos que seja um monólogo e não um debate. Então, não pense que você deve "jogar defensivamente" quando "estiver defendendo", pois você vai ter que "jogar" em ambas as posições.

6) Não use algo como prova se não tiver como provar.
Isso é algo que o Pastor Malafaia deveria aprender. A todo tempo ele cita determinadas "provas" do comportamento homoafetivo, mas nunca as comprova de fato - apenas cita. Ora, isso é facilmente rebatido, tira sua confiança e sua moral. Evite citar fontes, dados, autores ou mesmo situações como provas cabais de seus argumentos, exceto se você tiver como, de fato, comprovar que existem.

7) Respeite a "pirâmide de argumentos".
A pirâmide diz que os argumentos mais para o topo significam uma discussão melhor, e mais para baixo, significam uma discussão de baixo nível. NUNCA, em hipótese ALGUMA, use o chamado argumentum ad hominem. E se conhecer mais sobre falácias lógicas, aproveite e evite-as também. É bom estar sempre interado nesses assuntos antes de começar a conversar sobre algo - especialmente algo que você não tem pleno domínio (mas ainda assim tem certeza dos fatos que defende).

Pirâmide de argumentação


Seguindo essas dicas bastante simples - e caso não conhecesse alguma -, você irá perceber como a sua capacidade argumentativa vai melhorar. 

Obrigado pela leitura. :-)



Um comentário:

Marcio Salles disse...

Gostei bastante do seu texto também, acho que ambos conseguimos explorar bem as adversidades da argumentação.

Abs!