quarta-feira, 22 de maio de 2013

O brasileiro na internet - HUEHUEHUE

Mais uma boa tarde aos senhores!

Recentemente uma matéria da Folha de São Paulo trouxe novamente à tona uma antiga discussão: Os brasileiros são mesmo odiados na comunidade internacional, seja jogos ou quaisquer outras coisas?
Acredito que todos vocês que estão lendo conhecem o "hue" e demais terminologias associadas, na internet, aos brasileiros, então não vou me demorar dentro do simbolismo da coisa. (Caso você desconheça o termo ou queira se informar mais sobre, escrevi uma matéria para o site Literatortura)). Mas, enfim, qual seria uma análise de um ponto de vista de um gamer?



Para responder, precisamos analisar vários pontos:

1) Nosso povo é o único a ser discriminado?
Não. Os estereótipos correm por vários vieses. Americanos são "gordos" e "burros"; Australianos, são "aborígines"; Alemães são "nazis". É assim que funciona. Algumas brincadeiras são levadas mais a sério do que outras, mas todo mundo, sem exceção, passa eventualmente por algum tipo de estereótipo. Nós somos principalmente zoados pelo nosso comportamento na internet.

2) Nós somos aquilo que falam de nós?
Essencialmente, sim, somos. Até a linha em que a piada começa a virar ofensa, os brasileiros são mal educados, spammam coisas ininteligíveis nos chats dos jogos, fazem mal-uso do facebook, etc. etc. Evidentemente existem certos dentro da nossa comunidade cujo comportamento não é este, mas qualquer centro de pessoas que denota uma atitude se respalda nas ações da maioria. Então, não é incorreto afirmar que nós realmente somos a gangue do hue.

3) Essa brincadeira pode se tornar coisa séria?
Com certeza. A partir do momento que fazem-se piadas sobre a cor, denegrindo alguém por causa disso, torna-se crime, por exemplo. Não vou entrar no mérito d'"o que é mais ofensivo"; Um é crime, o outro não. Não temos muitos meios reais para inibir esse comportamento mais destrutivo, porém; O melhor é bloquear ou ignorar quem está falando nesses termos. Aliás, é o melhor a fazer se você se sentir ofendido em geral. Acontecerá algumas vezes de pessoas se recusarem a mesmo falar com você por se tratar de um brasileiro, mas isso NÃO É MAIORIA em jogos ou em redes sociais.

4) Só em jogos online os brasileiros são a gangue do hue?

5) Mas nós somos os únicos a fazer esse tipo de coisa?
Claro que não. Ao redor do mundo, muita gente tem um comportamento deplorável na internet (estereotipar por exemplo é, em geral, um desses comportamentos; Claro, eu entro na piada, mas pensando num mundo perfeito, é algo muito sem graça). Acontece que esses comportamentos mais massivos são mais atribuídos à brasileiros pela própria imagem que criamos ao redor do mundo virtual. 

6) Qual o principal efeito negativo?
Aquele presente em nós mesmos. Nós temos um comportamento meio risível, sim, mas me assusta e impressiona os mesmos brasileiros tendo atitudes muitas vezes mais agressivas do que os gringos! Somos "cânceres", na visão de alguns brasileiros (a alta nata da comunidade brasileira na internet; os channers, que visitam sites extremamente engraçados e saem de lá com esses preceitos inteligentíssimos) que, por sua vez, obviamente não o são, em sua própria ideia. O brasileiro se denigre ao invés de reconhecer o comportamento como uma piada.

O que desprende-se dessas perguntas é que nosso comportamento é, de fato, motivo de piada; E reforço mais uma vez a minha discordância da Folha ao dizer que "nossa imagem é a mais negativa". Não é. A piada em si é negativa dentro da internet? Não necessariamente, se partirmos do princípio que pode ser algo como bullying de inclusão, algo como nossa identidade virtual. E se recusarem-se de se comunicar conosco, o brasileiro tem auto-estima o suficiente para encarar com certa dignidade. Quero dizer: A coisa é toda uma piada, não leve tão a sério, não ache que se trata de verdade absoluta. E outra coisa, o jeito que você age na internet não necessariamente mede seu caráter. 

Eu vi ainda, na matéria da Folha, um representante da LevelUp (famosa empresa de jogos no Brasil) dizendo que as pessoas são, em comunidades virtuais, o espelho do que são na realidade. Achei isso com um certo fundo de verdade, mas também um absurdo sem tamanho. Calma, deixem-me explicar: É claro que nós somos quem somos meio que irreparavelmente, a menos que estejamos interpretando ser outrem, necessariamente temos essência pessoal em tudo o que fazemos. Mas é claro que não temos o caráter definido por praticar arrastões ou compartilhar imbecilidades no facebook; Pode ser só uma máscara, um retrato de quem você poderia ser ou gostaria de ser, e isso não necessariamente não nos torna. O mundo virtual, como o nome sugere, não é real, e pode-se dizer que muitos tentam ser dentro dele o que a sociedade de fora prega como sugestivo, porém não correto. Dizer que somos um reflexo é comparar uma brincadeira ou uma ignorância, como não saber falar inglês, com todas as notas da escola. 

Então, menos huerismo com as gracinhas com os brasileiros na internet. Ninguém conhece o nosso povo intrinsecamente sem estudá-lo, apenas vendo algumas coisas que são comuns virtualmente. Não somos cânceres, só temos alguns comportamentos meio bestas na rede. Se você se incomoda tanto, note os seus e simplesmente pare de tê-los.



5 comentários:

Zulun Goldrin disse...

"Nós somos aquilo que falam de nós?
Essencialmente, sim, somos."

Com qual autonomia faz tal afirmação?
Que tipo de pesquisa foi feita?

"Desconstruindo o senso comum em favor da verdade..."

Me diga o que você não fez alem de repetir um senso comum dos brasileiros que se sentem melhores do que eles mesmos?

Essa crítica é mais interna do que externa, nós nos intitulamos vândalos da internet e repetimos pra nós mesmos e todos das comunidades internacionais.

O Brasil é um grande mercado para jogos online, isso já foi comprovado. Esse grande número, o sucesso de comunidades brasileiras(como guildas, clans, etc..), e visibilidade incomoda aqueles que se sentem mal em ver um país de terceiro mundo com tanta expressão no mundo virtual.

Realmente, somos aquilo que aceitamos ser. =)

Caio Oleskovicz disse...

Que tipo de pesquisa foi feita? Bem, exceto a "pesquisa" empírica, tende ao impossível encontrar um valor exato e científico para uma atitude social dentro da internet, por ser uma cultura extremamente disseminada.

O senso-comum, na verdade, é o seu. Como eu argumento no texto, o estereótipo é montado pela maioria ou pela simples observação de determinadas atitudes; Mas ninguém gosta de se encaixar nele por se tratar de algo depreciativo.

Inclusive, esse retrato de brasileiros existe desde antes da explosão do mercado dos e-sports no Brasil; Tanto isso é verdade que podemos ver tópicos (reddit) e/ou vídeos datados de 2007 (MUITO antes da verdadeira proliferação da cultura de jogos online) que já faziam menções a esse comportamento.

Dizer que estão "incomodados" por um país de terceiro mundo é algo interno, é o que você acredita, e, se me permite dizer, é algo bem peculiar a brasileiros (não concordância = inveja). Não me sinto superior a ninguém, pelo contrário, entendo que algumas pessoas do meu país possuem sim a atitude caricaturada (e a caricatura obviamente representa um exagero), e que algumas outras (eu atualmente incluso) não a possuem.

O huebr existe e continuará existindo independente da conivência dos brasileiros da situação; O que nós não podemos fazer é acreditar que isso diminui qualquer um na comunidade internacional, porque não é o que faz.

Obrigado pelo comentário.

Zulun Goldrin disse...

Meu questionamento é só, pq diz isso?É pq vc se sentiu assim? Frequentei Muitas, mas muitas comunidades. Como vc falou, bons e ruins existem em todo canto. Mas não existe nenhum dado, pesquisa, artigo, fórum, iniciativa que fundamentem tal informação. Todo conteúdo produzido em volta sobre o vandalismo brasileiro é produzidos por nós mesmos, muitas vezes quando o calo foi pisado.

Somos o quinto país com maior número de internautas no mundo, e o quarto maior mercado de jogos( mesmo que não haja exploração do mesmo), é óbvio que junto com coisas boas e médias, coisas ruins também possuem uma maior probabilidade de surgirem entre nós.

Quanto a uma impressão pessoal, é mais fácil lembrar das cagadas que seu compatriota faz do que de um gringo das dezenas de países do mundo. Afinal, ele tem algum em comum com você, mais fácil de lembrar.


O que é senso comum, no meu senso comum é criticar brasileiro gamer. Difícil achar um gamer que defenda os gamers do Brasil. Mas se todo mundo reclama, se todo mundo acha ruim,se a grande maioria concorda com você, quem é então que ta fazendo errado? Estamos todos na feiura falando de nós mesmos?

A propósito, apesar de não concordar, gostei do post. Parabéns =)

Caio Oleskovicz disse...

Mas você está abordando a situação de um jeito diferente do meu. Não estou defendendo nem atacando os jogadores brasileiros; Minha intenção é proteger a pessoa por trás desse gamer. O intuito não é denegrir mais a imagem brasileira, é conscientizar que acontece de fato o estereótipo, não é algo simplesmente inventado. O motivo pelo qual acontece pode ser discutido: Pode ser que existam brasileiros que se encaixem no estereótipo através da própria existência do estereótipo. O que, acredito, não pode se entrar em dúvida é o mal-uso que alguns brasileiros (assim como alguns galeses, franceses, ingleses, humanos) dão às comunidades internéticas não-nacionais em geral. O "ataque" dos outros à nossa cultura especificamente pode advir do fato de existirem muitos brasileiros nessas comunidades, mas ainda assim é fundamentado.

Eu acho, acima de tudo, que não podemos deixar um estereótipo, seja ele verdadeiro ou não, intervir na nossa qualidade da "vida real". Como digo no último parágrafo, todos nós temos momentos de imbecilidade; A melhor coisa é identificá-los e parar com isso.

Obrigado também pelo elogio e pela discussão ;-)

Rodrigo Jacques disse...

Legal seu post, deem também uma olha no nosso em http://nerdwiki.com/2014/01/16/brzacao-da-interwebs/ Obrigado